Estou cheia

-Estou cheia. -Disse eu, suspirando mais uma vez.
Ele, mais uma vez, empurrou o prato de comida em minha direção.
-Mas eu já disse que estou cheia!
Ele levantou da mesa, foi pra cozinha e preparou outro prato. Bufei, com raiva, e fui deitar sem despedida.
De manhã, acordei. Ele já estava na mesa, me esperando para o café.
-Estou cheia. – Disse eu, indo vestir o uniforme do trabalho. Coloquei as calças, mas essas não cabiam mais em mim, estavam deveras folgadas. Busquei um cinto e resolvi o problema. Quando sai do quarto, ele estava me esperando, com um pote de comida em mãos.
-Estou cheia.- Disse revirando os olhos e saindo para o trabalho.
Cheguei em casa mais tarde e ele estava lá, sentado na mesa, com um prato vazio na sua frente.
Fui deitar, novamente sem despedidas.
No outro dia, acordei e ele ainda dormia. Me aprontei e fui trabalhar. Quando cheguei, lá estava ele, com aparência fraca, sentado na mesa com um prato vazio nas mãos. Fui deitar novamente, sem despedidas.
No outro dia, acordei e ele já estava na mesa, fitando o prato vazio.
-Se estás pensando em fazer comida para mim novamente, já digo que estou cheia!
Ele não disse nada, apenas abaixou a cabeça para olhar para o prato vazio novamente.
Hoje, quando cheguei do trabalho, o encontrei na mesa de novo. Sentei-me na cadeira a sua frente e ele me olhou. Estava diferente, magro, com os olhos tristes e fundos.
-O que foi? Andas chateado porque não tenho comido da sua comida?
-Nunca me deste o que comer- ele disse baixo. Arregalei os olhos e soltei as palavras rapidamente.
-Você sempre faz a comida.
-Sempre fiz a tua comida, você nunca me destes o que comer.
Horrorizada e furiosa, abri a boca para discutir, mas, antes que eu pudesse pronunciar a primeira palavra de ódio, ele levantou-se e saiu pela porta.
Esperei dias, meses e anos. Nada dele voltar. Me levantei da mesa e fui até o banheiro, quando me olhei no espelho. Espantada com o meu reflexo, cheguei a conclusão de algo que ele havia chegado primeiro:
-Eu nunca estive cheia, o tempo todo eu estava vazia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *